sexta-feira, 30 de junho de 2017

Desafios SeguraNet 2016/2017


A nossa escola participou nas Atividades Seguranet 2016/2017 – Categoria 1ºCiclo. As atividades que consistiram em três desafios lançados ao longo do ano, permitiram uma utilização mais segura, crítica e esclarecedora da Internet e, mais uma vez, fomos uma das escolas vencedoras a nível nacional dos Desafios SeguraNet .
A escola agradece o empenho das duas professoras e alunos envolvidos nos desafios Seguranet, nomeadamente aos alunos do 3º e 4º anos das escolas Básicas de Porto de Mós e S. Jorge.
Parabéns a todos!

Professora Teresa Faria

quarta-feira, 14 de junho de 2017

Desafios - EB2



A nossa escola, EB2 Dr. Manuel de Oliveira Perpétua, participou com 50 alunos, 22 do 5º ano e 28 do 6º ano, numa primeira fase - Fase Eliminatória do concurso, que decorreu em março de 2017.  Este concurso é um projeto da Escola Superior de Educação e Ciências Sociais (ESECS) do IPLeiria e da Associação de Professores de Matemática de Leiria, destinado à promoção da resolução de problemas de Matemática e orientado para os alunos dos 1º e 2º ciclos do Ensino Básico do distrito de Leiria. O principal objetivo do projeto DESAFIOS é estimular os alunos para a aprendizagem da Matemática através da resolução de problemas e para a sua valorização enquanto ciência.
  Está de PARABÉNS o aluno da EB2 Dr. Manuel de Oliveira Perpétua, Francisco Correia Ferreira,   do 6E, por ter sido selecionado  para a prova  final distrital que se realizou no dia  17 de maio  na ESECS. Aguarda-se a publicação dos resultado finais.

 
                                                           Sónia Paulo e Joana Moreira 6ºD(Clube de Jornalismo)








                                                

terça-feira, 13 de junho de 2017

Ecos da Matemática

No âmbito da disciplina de Matemática foi proposto aos alunos a atividade “Ecos da Matemática”. Esta consiste numa procura de associações à Matemática na área da literatura, música, entre outras.
Neste sentido apresenta-se mais um trabalho realizado por um grupo de alunos do décimo primeiro ano da Escola Secundária de Porto de Mós.



“Compro dois cachorros-quentes e degluto-os em meia dúzia de dentadas, e só nesse momento me apercebo de que não comi o dia inteiro, o que traz à memória o almoço – e o fiasco com Vanessa LeGrande.
Afinal, o que passou ali? Quero dizer, tens fama de seres irascível com os repórteres, mas aquilo não passou de uma cena muito amadorística, procuro mentalizar-me.
Estou apenas cansado, justifico. Sobrecarregado. Penso na digressão e parece que o terreno musgoso sob os meus pés se abre e começa a zumbir.
Sessenta e sete noites. Faço um esforço de mentalização. Sessenta e sete noites não são nada. Tento dividir o número, fracioná-lo, fazer algo para torná-lo mais pequeno, no entanto, nada é divisível por sessenta e sete em partes iguais. Então, começo a separá-lo. Catorze países, trinta e nove cidades. Algumas centenas de horas dentro de um autocarro de digressão. Contudo, a matemática só acelera o zumbido e começo a sentir vertigens. Agarro-me a um tronco de árvore e passo a mão pela casca, que me recorda o Oregon e, pelo menos, aproxima por instantes a terra.”

Forman, Gayle (2011). Espera por mim, Lisboa: Editoral Presença, 33-34pp.

Pesquisa realizada por:
§  Bruna Moleano nº6  11ºA
§  Carla Martinez nº7  11ºA
§  Carolina Matos nº9  11ºA
§  João Freitas nº17  11ºA
§  Margarida Girão nº18  11ºA

sexta-feira, 9 de junho de 2017

ENTREGA DE PRÉMIOS - Peddy Paper DECOJovem 2017

 

A nossa escola participou no passado dia 15 de março, no Peddy Paper DECOJovem 2017, da Semana do Jovem Consumidor. Esta atividade da DECOJovem é um projeto de educação do consumidor da DECO – Associação Portuguesa para a Defesa do Consumidor.
O Roadmap dos alunos foi interativo! Com a aplicação layar, os alunos tiveram pistas para consultar nos seus smartphones. Também utilizaram a tecnologia de realidade aumentada, para uma experiência mais rica. Os alunos foram sensibilizados para a importância de um consumo mais responsável, sustentável e consciente. Foi sem dúvida, uma iniciativa a repetir.
Parabéns aos quatro alunos, do 2º ano do Curso Profissional Técnico de Multimédia, que venceram este desafio.
A escola agradece o empenho de todos os professores e alunos envolvidos nesta atividade, nomeadamente aos alunos das turmas do Curso Profissional Técnico de Multimédia (1º e 2º anos).
Professora Teresa Faria


Dia internacional da Biodiversidade


Mais uma vez, foi celebrado o Dia Internacional da “Biodiversidade” a 22 de maio na Escola EB2 Dr. Manuel de Oliveira Perpétua. Os alunos das turmas dos 5ºanos  realizaram trabalhos muito criativos com materiais recicláveis e alguns inimagináveis  sobre a vida dos animais espalhada por todo o planeta Terra.  Os “Seres Vivos” foram apresentados à comunidade escolar através de uma exposição no átrio da escola. Neste espaço também foi  projetado um documentário alusivo ao tema.
Esta atividade  contribuiu para a perceção de valores importantes sobre a preservação ambiental que são fundamentais para a formação de cidadãos ecologicamente conscientes e responsáveis.



Sónia Paulo e Joana Moreira 6ºD(Clube de Jornalismo)

terça-feira, 30 de maio de 2017

ENTREVISTA - 25 de abril


A propósito do 25 de abril, alguns alunos do 5º B decidiram entrevistar alguém que viveu essa data e que a recordará para sempre. A assistente operacional da Escola EB2 Dr. Manuel de Oliveira Perpétua, D. Alzira,  de sessenta e seis anos de idade, aceitou, gentilmente, ser   entrevistada, deixando assim o seu valioso testemunho. 

 - Que idade tinha quando aconteceu o 25 de abril?
D.Alzira– Agora não sei… só fazendo as contas…eu tenho 66… Tinha 23 anos, era uma jovem.
- Onde estava quando se deu a revolução?
D. Alzira – Estava em casa, aqui na Corredoura. Morava na Corredoura, nessa altura.
- Como é que soube o que estava a acontecer?
D. Alzira – Pela rádio.
- Como era a escola antes do 25 de abril?
D.  Alzira -Era mesmo só para os ricos.
- Lembra-se de alguma canção do 25 de abril?
D. Alzira– lembro-me da canção do Paulo de Carvalho “Depois do Adeus”.
- Qual era a sua música preferida no 25 de abril?
     D. Alzira - Bem sei eu! Já lá vão muitas canções…
     - O que  achou do 25 abril?
-D. Alzira – Achei bom. Então, nós não podíamos abrir a boca por causa da PIDE. Agora  a gente diz o que quer, embora sejamos castigadas à mesma. Ah! Ah!Ah!
- Havia pessoas de Porto de Mós na  PIDE?
D. Alzira – Havia, havia alguns homens.
- Eles foram presos depois do 25 de abril?
D. Alzira – Não. Ninguém foi preso.
- Você gostou de viver o 25 de abril?
D.Alzira– Gostei pois, gostei muito de viver o 25 de abril. Foi só pena o meu pai não estar vivo. O meu pai era contra Salazar. Eu gostava que ele tivesse vivido a revolução, mas ele morreu em janeiro e o 25 de abril deu-se logo no mesmo ano.
- O que era proibido naquele tempo?
D. Alzira – Ai… tanta coisa! Não podíamos dizer o que estou a dizer agora, por exemplo, não se podia andar com decotes que deixassem ver os peitos, não se podia ir à missa sem um veuzinho na cabeça,… tanta coisa, tanta… na escola tínhamos que rezar, na parede havia uma fotografia do Salazar e outra do papa.
- Antes do 25 de abril saía muitas vezes de casa?
D. Alzira – Não, filho, então a gente não tinha transporte nem nada, não íamos a lado nenhum… só se fosse a pé. Éramos uns pobres coitados. Não havia nada, nem televisão, nem  telefone fixo, nem nada, só os ricos é que tinham essas coisas. Naquele tempo só os ricos viviam bem.
- Passou fome, D. Alzira?
D. Alzira – Muita, porque eu não tinha mãe, e o meu pai ficou viúvo com cinco filhos. Passei muita miséria. Andei a pedir, e não tenho vergonha de o dizer. Se fosse hoje, faria a mesma coisa, ia pedir novamente, roubar é que não. Eu andava na escola de Porto de Mós e, até chegar a casa, pedia às pessoas mais ricas, e elas davam-me comida. O meu pai chegou a chorar quando me via chegar com uma saca do pão com alimentos. Ele era trabalhador rural e nem sempre havia o que fazer no campo. De inverno chovia muito, semanas inteiras, e não se ganhava um tostão. O meu pai, coitado, tinha cinco filhos para criar. E nós sobrevivemos todos com muita dificuldade, mas nunca enxovalhámos a cara do meu pai, nunca, nunca, nunca. O meu pai deu-nos educação, nunca roubámos nada a ninguém, só pedíamos, mas isso não é desprezo nenhum. Por onde andássemos, andávamos sempre de “cara lavada”.
- O que notou de diferente depois do 25 de abril?
D. Alzira – Ah! Tudo. Tudo diferente.
- Foi assim de um dia para o outro?
D. Alzira – Sim, foi tudo diferente, foi muito bom!
- Obrigado pela sua disponibilidade e, queira aceitar estas flores colhidas no jardim do Nuno. Não são cravos, mas vêm carregadas de carinho. Muito obrigada.

Trabalho realizado pelos alunos do 5º B: Nuno Ferreira, Soraia Vieira e Tomás Martins

sexta-feira, 19 de maio de 2017

Dia do Agrupamento na EB2 Dr. Manuel de Oliveira Perpétua

No dia  5 de maio foi celebrado o “Dia do Agrupamento”, tendo este dia sido destinado a diversas atividades, envolvendo vários ciclos, desde a Pré até ao  12º ano. A Escola Básica Dr. Manuel de Oliveira Perpétua calendarizou várias atividades que decorreram na parte da manhã e na parte da tarde, tendo sido convidadas turmas do 4º ano  para visitarem a escola. No período  da manhã foi feita a receção aos alunos do 4º ano vindos do Arrimal, Mendiga, S. Bento, Serro Ventoso, Alqueidão da Serra, Fonte do Oleiro e Tojal. Da parte da tarde vieram os alunos de Porto de Mós, Pedreiras, Cumeira, Juncal, S. Jorge e Calvaria. Estes alunos tiveram oportunidade de assistir a um Momento Musical ( música do Bidão)  , Teatro de Sombras, Encontros na Biblioteca, e participar no Atelier de Estampagem, , Dia olímpico, Viagem no mundo dos sentidos , “Aqui há Ciência “e na  Visita à sala de UUEA. Os alunos foram acompanhados por guias,  que pertenciam às turmas dos quintos anos. Os restantes alunos dos quintos também participaram em várias atividades. As turmas dos 6º anos dirigiram-se à Escola Secundária para assistir e participar nas atividades dinamizadas pelos professores/alunos da referida escola.   No final, foi entregue aos alunos  uma caixinha desdobrável com uma imagem  da Escola e rebuçados que fez a alegria de todos. Esta visita revelou-se muito interessante e ao mesmo tempo emotiva ,porque para muitos foi o primeiro contacto com a sua futura  escolinha.

                                           Sónia Paulo, 6ºD nº15,  Clube de Jornalismo 

 

Visita à Base Aérea de Monte Real - Educação Especial

No dia 15 de maio, os alunos de Educação Especial participaram na visita de estudo à Base Aérea de Monte Real, dois dias após a passagem de Sua Santidade, o Papa Francisco.
A visita guiada à Base Aérea nº5, que tem por lema “Alcança quem não cansa”, teve passagem pelos bombeiros da força aérea, pelo serviço de cinotécnica e, como não podia deixar de ser, pelo interior de um avião F16. Os alunos puderam ainda observar a descolagem e aterragem de alguns destes. Seguiu-se posteriormente para a cantina, onde o espaço estava cuidadosamente organizado para nos acolher com a oferta de sumos e águas.
Para os interessados, fica a informação de que a Base estará aberta à comunidade no dia 10 de setembro, à semelhança do que é feito todos os anos.

O Departamento de Educação Especial reconhece e expressa a sua gratidão aos militares que mostraram grande disponibilidade e sensibilidade para com os alunos e todos os seus acompanhantes. 

terça-feira, 9 de maio de 2017

CNL 2017

Aluna do Agrupamento classifica-se no Top 5 da Final Intermunicipal do Concurso

 Nacional de Leitura 2017.




A aluna Catarina Durão, da Escola Secundária de Porto de Mós, conseguiu o apuramento para a fase oral da Final Intermunicipal do Concurso Nacional de Leitura 2017, nível do Ensino Secundário, que decorreu no dia 21 de abril. Para esta fase apuravam-se apenas 5 alunos, por ciclo de ensino, entre os cerca de 100 alunos representantes das escolas no 3º Ciclo e no Ensino Secundário.


A representação das duas escolas secundárias do Agrupamento de Escolas de Porto de Mós esteve a cargo dos alunos Alexandre Jorge, Filipe David, Joana Gomes e Tiago Cruz, no 3º Ciclo, e Catarina Durão, Daniela Gonçalves e Inês Soares, no Ensino Secundário.

Para as provas desta fase do concurso, os alunos leram A lua de Joana, de Maria Teresa Maia Gonzalez, e O rapaz do caixote de madeira, de Leon Leyson, no 3º Ciclo, ou ainda Ratos e homens, de John Steinbeck, e O passado que seremos, de Inês Botelho, no Ensino Secundário.
A Final Intermunicipal do Concurso Nacional de Leitura, que decorreu no Auditório Municipal da Batalha, numa tarde também pautada por momentos de humor e de leitura dramatizada, juntou alunos de dez concelhos do distrito de Leiria, numa organização da Direção Geral do Livro, dos Arquivos e das Bibliotecas e do Município da Batalha, através da Biblioteca Municipal José Travaços Santos, e permitiu apurar um aluno, em cada ciclo de ensino, para a final nacional.

Recorde-se que, em nove participações neste evento (que vai na décima primeira edição), é a sexta vez que alunos das escolas secundárias do agrupamento têm lugar neste pódio.